O invisível: da linha do comboio à tradução

O invisível: da linha do comboio à tradução

Hallo, Danke, Tschüss.

Três. É este o número de palavras que sei de alemão.

 

Na semana passada, estive na Alemanha.

Apesar de estar na área de tradução há cerca de 18 anos, senti na pele o que é não entender nada do que está a ser dito ou escrito à minha volta. Sentia-me isolado e sozinho, em ruas cheias de pessoas.

“À terra onde fores, faz como vires fazer” e, muitas vezes, este foi o meu lema nesses dias em terra alemã, (já que eu, tudo ouvia, mas nenhuma palavra me levava a lugar algum).

Informações importantes sobre a linha certa do comboio, eu não as via… porque não as percebia.

E eu estava transformado numa pessoa nova, cheia de sentimentos como: insegurança; confusão; receio; que não me permitiam explorar mais, saber mais, libertar-me mais…enfim, viver mais.

E se eu compreendesse a língua?

Se eu tivesse hipótese de a ter ao meu lado, como uma companheira de viagens?

Afinal…para que serve a tradução?

 

Como pessoa, leitor e, até, viajante permite-lhe:

  • A ADAPTABILIDADE a todos os contextos e situações.
  • Segurança, confiança e, consequentemente, sucesso, qualquer parte do mundo.
  • Compreender informações importantes. Não só nas estações de comboios, mas também em casa, por exemplo, para tomar um medicamento.
  • E – o mais importante – permite-lhe viver tudo o que o mundo tem para lhe dar: cada momento, sem hesitações.

 

Como empresa, permite-lhe

  • Ter a chave que abre a porta para um mercado de sete mil milhões de potenciais clientes. Ampliando a sua área de influência a cada canto do mundo e, até, ganhando autoridade no seu setor.
  • Ganhar autoridade no seu setor, de forma EFICAZ, diminuindo os prazos de execução e entrega de cada serviço ou de cada produto.
    Se compreende o idioma do seu cliente, conseguirá alcançar toda a confiança dele na marca e, por fim, a sua lealdade.
  • E demonstrar respeito pelo seu cliente, originando PROXIMIDADE com o mesmo e, consequentemente, uma melhoria de feedback.

 

A tradução é a melhoria de um puzzle. Com peças recuperadas e bem trabalhadas, para que o resultado final se distinga. É a sua arte, vista por todo o mundo exatamente como quer que seja idealizada: com o mesmo sentido e ao pormenor.

É o poder da tradução: o poder de fazer alterações no mundo. Numa estrada cheia de oportunidades, num mundo que flui ao som de uma só língua e que está ao seu alcance.

Aqui estamos nós: L10N.

Ao seu lado, nesta estrada para o sucesso, com a maior TRANSPARÊNCIA.

Trabalhamos todos os dias para si, discretamente e sem fronteiras que nos barrem a passagem.

Mas o que se vê é a sua vitória, em qualquer localização.

Despeço-me com um universal “tchau”, que dispensa traduções.

Dinis Carvalho