Tradução financeira… E agora?

Tradução financeira… E agora?

O fenómeno da globalização abrange todas as áreas e o setor financeiro é um perfeito exemplo. Por ser um setor com muita informação sensível, é essencial que a tradução de documentos financeiros corresponda aos mais altos padrões de qualidade. Bancos, instituições financeiras e firmas de auditoria nacionais e internacionais usam predominantemente a língua inglesa na comunicação internacional, no entanto, continuam a existir documentos importantes que têm de ser vertidos para a língua materna dos mercados onde se pretende atuar.

Por norma, os documentos de cariz financeiro incluem conteúdo confidencial, pelo que é importante colaborar com uma empresa de tradução profissional e de confiança. Quando necessitar deste tipo de serviços, procure um parceiro com um perfil adequado, dedique algum tempo a investigar o historial da empresa e peça referências de outros clientes/parceiros que possam comprovar as competências e capacidades declaradas. Confirme que a empresa dispõe das ferramentas adequadas para o processamento do material que irá disponibilizar e se o nível de segurança informática está à altura dos seus requisitos para a proteção dos seus documentos. Poderá ser sensato e recomendável assinar acordos de confidencialidade com a empresa e/ou com os tradutores.

Terminologia

Os termos especializados da documentação financeira são um dos maiores desafios para os tradutores. Por vezes, os termos são completamente diferentes de uma língua para outra e é preciso um cuidado especial com eventuais traduções literais. Tome como exemplo este excerto do glossário bilingue do Banco de Portugal:

Cash-recycling machine, por exemplo, traduzido literalmente seria “máquina de reciclagem de dinheiro”, mas o termo correto é “máquina de depósito, escolha e levantamento”. Além de ter um conhecimento pleno destes conceitos, o tradutor deve compreender rigorosamente e na sua totalidade a mensagem e o objetivo do documento antes de o traduzir. Pois em diferentes contextos a mesma palavra poderá ter significados diferentes.

No caso do termo inglês Equity, este traduz-se como “ações/títulos”: o instrumento financeiro, por exemplo, comercializável em Bolsa ou elemento constituinte de fundos de investimento. Mas pode também traduzir-se como “capital” quando se trata do balanço patrimonial de uma empresa, resultante do cálculo contabilístico: ativo – passivo = capital.

A polissemia dentro da área é um desafio sério. Diferenças subtis de interpretação podem resultar em traduções de qualidade inferior que soam estranhas ou, no limite, suspeitas. Esta é uma área em que a transparência, seriedade, credibilidade e integridade são tão fundamentais quanto a concretização destes valores na atividade real. Uma tradução imprecisa coloca em risco a imagem de idoneidade e coloca o cliente numa posição desfavorável.

Outra parte importante do processo de tradução é identificar os termos e conceitos que são intraduzíveis. Em muitos locais é frequente a adoção direta dos termos em inglês, nomeadamente, por serem de mais fácil compreensão para o público especializado a que se destina o documento traduzido. Quer isto dizer que o processo de tradução deverá ser especificamente adaptado aos documentos a serem traduzidos e personalizado à medida de cada cliente.

Encontrar uma empresa de traduções que seja especialista na área financeira é imperativo. Contudo, é também importante salientar a importância de encontrar um parceiro com uma atitude flexível e recetiva para ir ao encontro das necessidades do cliente: adaptar o processo conforme necessário e integrar a terminologia preferida de forma eficiente.

Precisão

Este aspeto deve ser o foco de qualquer tradutor que trabalhe nesta área visto que, na sua maioria, os documentos apresentam números e cálculos cuja exatidão é vital. Qualquer erro na tradução pode causar erros matemáticos e contabilísticos muito graves. Os números têm também formatos diferentes, quer sejam os carateres em si ou a forma como são apresentados. Há idiomas em que os carateres, a disposição dos algarismos e o separador decimal dos mesmos é diferente, sendo necessária atenção redobrada. Veja os seguintes exemplos:

  • Os números em japonês para além de serem carateres completamente diferentes escrevem-se de cima para baixo e da esquerda para a direita, como pode ver na imagem à esquerda.
  • Em espanhol, por exemplo, se for da Venezuela o separador decimal é uma vírgula, ou seja, um milhão escreve-se 1,000,000, no entanto, a mesma língua no Peru ou no México já separa com um ponto: 1.000.000.
  • O termo inglês billion, até recentemente, tinha duas interpretações possíveis consoante o autor fosse americano ou britânico. O sistema americano usa o que se chama a escala curta, ou seja, 1 billion equivale a 1 000 000 000. Ao passo que o sistema britânico usava a escala longa em que 1 billion corresponde a 1 000 000 000 000.
    Atualmente ambos os lados anglófonos do Atlântico usam maioritariamente a escala curta, por conveniência e evitar mal-entendidos elevados à décima potência.
    Mas ao traduzir para português, por exemplo, esta questão de escala ainda é muito saliente, pois o número 1 000 000 000 exprime-se em português europeu como “mil milhões” e em português do brasil como “um bilhão”.

Legislações e regulamentos

Quando se traduz um documento para um público-alvo natural ou residente noutro país é indispensável pesquisar e estar familiarizado com o enquadramento legal e burocracia locais para utilizar a linguagem apropriada às regulamentações em vigor. É necessário estar atento, nomeadamente, à eventualidade de certas operações de mercado não serem legais em determinados países ou regiões. Por isso, é sempre necessária atenção redobrada e a verificação constante e regular destas particularidades.

 

Fusos horários 

O fenómeno da globalização possibilita oportunidades, mas também impõe constrangimentos em virtude dos fusos horários. A título de exemplo, uma alteração de última hora num orçamento feito em Lisboa pode ser o fator decisivo para a adjudicação de um projeto e o êxito de um negócio. Se essa alteração for feita às 15h00 de Lisboa, serão então 02h00 em Sydney e 10h00 em Nova Iorque. Perante este cenário, é fundamental que a tradução fique pronta o quanto antes, de preferência, ainda durante o horário de expediente do destinatário deste orçamento.

O mesmo se aplica a Relatórios e Contas das empresas com cotação em Bolsa, comunicados para acionistas ou qualquer outra situação em que a disponibilização da informação tem um efeito crítico e instantâneo sobre o desempenho das empresas a que dizem respeito.

Só de um parceiro para traduções que compreenda a urgência e a magnitude dos interesses envolvidos se pode esperar a flexibilidade, compromisso e dedicação necessários para acomodar estes prazos tão exigentes e, simultaneamente, garantir que as suas competências técnicas, linguísticas e especializadas são aplicadas a 100%.