Tradução certificada. E agora?

Tradução certificada. E agora?

A D. Maria, a Francisca e o António precisam de traduções certificadas, ou seja, têm de certificar/legalizar a tradução de documentos. Vamos explicar-lhe, de uma forma simples, os passos a seguir.

Antes de mais, é importante salientar que o conceito de tradução certificada pode assumir vários nomes: tradução autenticada, tradução legalizada, tradução oficial ou tradução ajuramentada (ou juramentada). Na verdade, querem dizer todos a mesma coisa.

O António casou-se no estrangeiro e precisa de certificar os documentos do casamento traduzidos para português para entregar num organismo em Portugal, do que é que ele precisa?

  1. Ter o documento original (ou cópia autenticada) e a respetiva tradução em língua portuguesa;
  2. Ir ao notário (ou advogado/solicitador) que passará uma declaração onde identifica o tradutor competente que garante, sob juramento ou compromisso de honra, que o documento traduzido é fiel ao original;
  3. Esta declaração é anexada ao original e à respetiva tradução. Todas as folhas são carimbadas e assinadas pelo notário/advogado/solicitador e pelo tradutor.

Tradução Certificada= Declaração + Documento Original + Documento Traduzido.

A D. Maria e a Francisca precisam de entregar no estrangeiro documentos obtidos em Portugal e foi-lhes pedido para certificar a tradução, mas antes de saberem o que fazer têm verificar se o país de destino é signatário da Convenção de Haia.

A D. Maria quer traduzir o registo criminal do filho que está a trabalhar na Alemanha, um país ASSINANTE da Convenção de Haia, o que é que tem de fazer?

  1. Ter o documento original (ou cópia autenticada) e a respetiva tradução em língua portuguesa;
  2. Ir ao notário (ou advogado/solicitador) que passará uma declaração onde identifica o tradutor competente que garante, sob juramento ou compromisso de honra, que o documento traduzido é fiel ao original;
  3. Esta declaração é anexada ao original e à respetiva tradução. Todas as folhas são carimbadas e assinadas pelo notário/advogado/solicitador e pelo tradutor;
  4. Solicitar a Apostilha de Haia na Procuradoria-Geral da República.

Tradução Certificada = Declaração + Documento Original + Documento Traduzido + Apostilha de Haia.

A Francisca vai estudar para o Canadá, um país NÃO ASSINANTE da Convenção de Haia, e precisa da tradução oficial do diploma. O que fazer?

Perceber quais as exigências do país de destino, que podem ser:

  1. Certificação em Notário;
  2. Certificação Intermédia numa Câmara de Comércio;
  3. Certificação no Ministério dos Negócios Estrageiros português;
  4. Certificação em Embaixada; ou
  5. Combinação das anteriores.

Só conhecendo as exigências específicas do país junto da entidade/organismo que pediu o documento é que será possível entender a melhor forma de obter a certificação adequada.