Há qualquer coisa errada que não está certa

Há qualquer coisa errada que não está certa

A origem de alguns provérbios e ditados populares portugueses

Todos temos um amigo que tem sempre um provérbio ou uma expressão popular à mão de semear: “Já a minha avó dizia: E quem fala assim não é gago!”

A maioria destes dizeres é de autor desconhecido. São frases que se foram propagando ao longo do tempo e que ainda hoje são utilizadas. Algumas mantêm o significado original, mas muitas foram-se adaptando à realidade e ao quotidiano das pessoas. Geralmente transmitem sabedoria popular e passam alguma experiência de vida.

Esta parte da cultura é muito própria de cada país, tendo cada língua uma versão dos provérbios adaptada. A tradução literal resulta, muitas vezes, em frases sem sentido nenhum.

LínguaDitadoTradução LiteralCorrespondente
InglêsIt’s raining cats and dogs!Estão a chover cães e gatos!Está a chover a potes!
FrancêsElle a trouvé l’oiseau rare.Ela encontrou uma ave rara.Ela encontrou a alma gémea.
AlemãoDer Apfel fällt nicht weit vom Stamm.A maçã não cai longe do tronco.Filho de peixe sabe nadar.
ItalianoTrai l dire e il fare, c’è di mezzo il mare.Entre dizer e fazer está o mar.Fácil é falar.

Algum dia parou para pensar porque se diz que alguém está com dor de cotovelo? Ou que a laranja à noite mata? Apresentamos-lhe aqui as origens prováveis de alguns ditados populares.

 

“Tens é dor de cotovelo!”

Acredita-se que esta expressão teve origem nas pessoas que iam para os bares após o fim de uma relação amorosa e se sentavam ao balcão com os cotovelos apoiados. De tanto permanecerem naquela posição, a chorar pelo amor perdido, começavam a ficar com dores nos cotovelos. Começou a utilizar-se a expressão para designar pessoas com ciúmes. Hoje em dia, retirou-se o campo exclusivo das relações amorosas e utiliza-se mais no sentido de sentir inveja do que ciúme.

 

“Podes tirar o cavalinho da chuva.”

Nas épocas em que não existiam carros, as pessoas usavam o cavalo como meio de transporte. Quando se ia visitar um amigo, deixava-se o cavalo à entrada da casa, mas, caso o anfitrião quisesse que a visita ficasse mais tempo, dizia “podes tirar o teu cavalo da chuva” que significava “não vais embora tão cedo”. O significado da expressão foi evoluindo e hoje em diga significa “nem penses nisso”.

 

“De pequenino se torce o pepino.”

Para um pepino crescer, os agricultores retiram-lhe os “olhinhos”, isto garante que cresce na forma certa e com o melhor sabor. No entanto, este processo tem de ocorrer quando o pepino é bastante pequeno. A expressão foi adaptada à educação das crianças, significando que é desde pequenas que se começam a “moldar”.

 

“Laranja de manhã é ouro, à tarde prata e à noite mata”

Esta expressão já foi desmentida por muitos nutricionistas. No entanto, muita gente acredita que comer laranja à noite é mau para o organismo. A origem desta expressão é um pouco dúbia, pois há duas versões da história:

  1. A melhor altura para colher laranjas é logo pela manhã, quando são mais doces e suculentas. Quanto mais tarde são colhidas, mais ácidas e secas ficam.
  2. Antigamente, quando havia muitos furtos nos pomares, os agricultores criaram esta expressão para que os ladrões noturnos não fossem roubar as laranjas, por terem medo delas.

 

“Isto não é um bicho de sete cabeças.”

Hidra é um monstro da mitologia grega que tinha corpo de dragão e sete cabeças de serpente. Além de ser extremamente venenosa, por cada cabeça que se cortava, nasciam mais duas. Destruir este monstro era um dos 12 desafios que Hércules teria de enfrentar para reconquistar a sua honra como um Deus. A expressão começou a ser utilizada para indicar que algo não é difícil.

 

“Estou cansado de engolir sapos”

A origem desta expressão remonta à história da Bíblia sobre as pragas do Egito. Uma das pragas consistia na invasão do Egito por milhares de rãs. Durante a preparação e ingestão de alimentos, lá estavam os anfíbios. Os animais não invadiam apenas o ambiente, mas também os pratos dos habitantes do reino. Engolir sapos começou então a significar suportar situações desagradáveis sem reclamar.