Carnaval: uma tradição celebrada em português

Carnaval: uma tradição celebrada em português

O Carnaval está a chegar!!

O inverno está a chegar ao fim e, em Portugal, o fim da mais fria das estações é celebrada com alegria, exuberância, música e…Pessoas seminuas a dançar na rua!

Sim… leu bem.

Foi com todo um espírito expressivo, dançante e até mágico que vaguei pelas ruas das cidades, aldeias e vilas, não é segredo nenhum que esta festividade tem grande importância no mundo Lusófono.

Aliás! Para alguns, chega a ser a altura mais importante do ano!

Embora a língua portuguesa seja o idioma mais falado no Carnaval, nós, os Lusófonos, não somos os únicos a celebrá-lo.

Como tudo começou:

As raízes históricas do Carnaval, de facto, são comuns a todos. No entanto, ao longo do tempo, as comunidades locais foram adaptando diferentes tradições que perduram ainda nos nossos dias.

Acredita-se que o Carnaval teve origem na Grécia, por volta de 600 a.C., quando as pessoas adoravam os deuses através de festivais e oferendas.

Mais tarde, cerca de 500 d.C, a Igreja Católica incorporou esta festividade e definiu que seria antes da Quaresma – um período de de jejum, penitência e oração.

Assim, nesta tradição Cristã, a terça feira que antecede a quarte feira de cinzas, (que marca o início da Quaresma), era celebrada com grandes festejos e comemorações e acabou por se tornar no que, hoje, conhecemos como Mardi Gras (Terça feira Gorda).

Então, a partir desta incorporação, o Carnaval passou a ser considerado como um conjunto de momentos onde as pessoas podiam pecar e viver as suas fantasias, sendo que na Quaresma poderiam arrepender-se e voltar a cair na graça de Deus.

Ao longo do tempo, estas festividades transformaram-se numa tradição.

Mas… todas as culturas celebram o Carnaval da mesma forma?

Não! Cada comunidade tem a sua própria forma de o celebrar.

Existem milhares de tradições diferentes e originais:

  • Veneza – é famosa pelos seus bailes de máscaras
  • Nova Orleães – é imediatamente associada ao excêntrico Mardi Gras
  • Basileia – as luzes apagam-se para o Morgestraich
  • Bogatá – transforma-se num campo de batalha, numa guerra de flores, as pessoas ficam eufóricas no Quebeque e dançam na neve!
  • Brasil – tiramos-lhe o chapéu e colocamos-lhe a coroa. O Brasil é considerado, por muitos, o Rei do Carnaval e o Rio de Janeiro entra em destaque.

Esta influência do Brasil sobre a forma como se comemora o Carnaval é tão grande que até os Japoneses festejam o Carnaval de Samba de Asakusa e em Português!

Em Portugal:

Portugal tem as suas próprias tradições, contudo, incorporámos muito do que os nossos “irmãos transatlânticos” partilharam connosco. Hoje em dia, o Carnaval é um caldeirão de práticas conservadores e ancestrais célticas, em paralelo com as práticas arrojadas, coloridas e vibrantes do Brasil e que adotámos: como o Samba, o Olodum e as Passistas.

Seja qual for o modo de celebrar; o país ou a cultura, existe algo que une todas as culturas no Carnaval: A alegria e a diversão.

E nós, juntamos-lhe a união da língua. A L10N localiza-o para que neste Carnaval, não existam barreiras na comunicação da nossa felicidade mundial.

Boas conversas!